Páginas

sexta-feira, 6 de agosto de 2010

Quanto vale um cantadÔ?



Quanto vale um cantadô
Neste mundo de meu Deus?
Lhe pregunto professô
Quanto vale um canto meu?

Quanto vale uma cantiga
Improvisada e certêra
Na boca de um repentista
Na roda da cirandêra?

Quanto vale a embolada
Num côco que faz rimá
Uma dupla de viola
Um pandeiro pra marcá?

Quanto vale um cantadô
Neste mundo de meu Deus?
Lhe pregunto professô
Quanto vale um canto meu?

Quanto vale essa moeda
Sem cunho comerciá
Que não se ganha na iscola
Que nem Hino Nacioná?

Quanto vale a praça armada
De roda pra admirá?
A cutura dita em prosa
O povo a tistimunhá?

Quanto vale um cantadô
Neste mundo de meu Deus?
Lhe pregunto professô
Quanto vale um canto meu?

Esse canto é verdadêro
Que canto de si a dó
Do sufrimento do povo
Do padicê chão em pó

Da isperança e da luta
Contra a fome nesta guerra
Canto o meu povo sufrido
E canto a sede de terra

Quanto vale um cantadô
Neste mundo de meu Deus?
Lhe pregunto professô
Quanto vale um canto meu?

Quanto vale a minha voz
Disafinada e sem graça
Que num si aquieta num canto
Por timosia e pirraça!?

A preguntá pro dotô
Palitosado e istudado
Que agôa o Sertão com a sêca
Pra num perdê o rinado...

Quanto vale um cantadô
Neste mundo de meu Deus?
Lhe pregunto professô
Quanto vale um canto meu?

Nenhum comentário:

Postar um comentário